PREFEITA DE IGUABA GRANDE MANTÉM ÔNIBUS UNIVERSITÁRIO

Como contrapartida, estudantes doarão cestas básicas para famílias de baixa renda 

Em reunião com universitários, na última quarta-feira, dia 19, a prefeita de Iguaba Grande, Grasiella Magalhães, anunciou a continuidade do serviço de ônibus para os universitários da cidade, que estudam nos municípios vizinhos.

O serviço seria interrompido, por orientação do Ministério Público (MP) e Ministério da Educação (MEC). A secretária municipal de educação, Sheila Atalla, esteve presente na reunião, para explicar a instrução do MEC e MP. “É obrigação dos municípios oferecer e custear a educação para crianças e jovens da creche ao nono ano, utilizar recuso da Secretaria de Educação para o ensino universitário vai contra as regras estabelecidas pelo Governo Federal e o Ministério Público está cobrando de todos os municípios para que não façam, quem desobedecer isso estará sujeito a responder juridicamente”, esclareceu a secretária.

De acordo com Grasiella Magalhães, o recurso destinado ao transporte dos universitários não será mais oriundo da Secretaria de Educação, como contrapartida do dinheiro investido no serviço, a prefeita sugeriu que os estudantes doassem à Secretaria de Trabalho e Ação Social, uma cesta básica por mês. “Não podemos prejudicar um segmento para ajudar outro, existem centenas de famílias que precisam da ajuda da Ação Social para sobreviver. Por isso eu peço essa contrapartida”, explicou a prefeita.

Segundo Grasiella, com a adesão dos estudantes à campanha de doação das cestas básicas, a Secretaria de Ação Social deixará de gastar em média 21 mil reais e atenderá a cerca de 300 famílias de baixa renda, o valor economizado, de acordo com Grasiella, é o suficiente para manter os ônibus que atendem aos universitários da cidade. “Fizemos os cálculos e o custo da cesta não sai por mais de 70 reais, é o que cada um vai gastar para ter o transporte diariamente. Esse custo individual, no ônibus de linha, seria superior a 300 reais. Vocês vão pagar um valor simbólico e ainda vão ajudar famílias que precisam”, explicou a prefeita.

ASSOCIAÇÃO DE UNIVERSITÁRIOS

A prefeita orientou aos estudantes que criassem uma associação para atender aos interesses dos universitários. Essa associação, segundo ela, poderia receber recursos de empresas e até mesmo da prefeitura. “É uma forma de garantir o serviço sem que dependa somente do poder público, nossa economia está instável, não sabemos como estaremos no ano que vem e nos próximos anos. Com a associação, os universitários passam a ter uma voz constituída, isso dá mais força para lutarem pelos seus direitos, para a conquista de outros benefícios, não só do transporte. Um grupo organizado vai muito mais longe”, orientou Grasiella, que se dispôs a contribuir com a criação da associação, assumindo as despesas iniciais com recursos próprios.

Para o estudante Fabrício Ramos, a associação pode ajudar os universitários. “É uma boa atitude, uma forma de juntar os universitários para uma causa. É uma responsabilidade que deve ser estudada, mas acredito que vai dar um retorno aos universitários, não só para os que estão estudando agora, mas também para os que vão estudar no futuro” disse o universitário, que estuda em Cabo Frio e está no oitavo período de Engenharia Ambiental.

Texto: Tiago Gouveia