Dia do enfermeiro, 12 de maio

 Mais de 80 profissionais integram a equipe da saúde pública em Iguaba Grande 

Em 12 de maio, sábado, é comemorado o Dia da Enfermagem e do Enfermeiro. Apesar desse dia só ter sido estabelecido em 1974, pelo Conselho Internacional de Enfermeiros, no Brasil ele já é comemorada desde 1938 (data criada pelo Presidente Getúlio Vargas). E ao longo dos anos essa importante profissão tem se destacado cada vez mais pela contribuição fundamental para a proteção da saúde nos hospitais.

Em Iguaba Grande, entre as Unidades Básicas de Saúde (UBS) e o Pronto Socorro existem 23 enfermeiros e 73 Técnicos em Enfermagem atuando no quadro da Secretaria de Saúde. Segundo a Coordenadora do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) de Iguaba Grande, Silvana Grimauth, o maior desafio que encontra na profissão é lidar com a estrutura encontrada no Sistema Único de Saúde (SUS) devido a crise no país. “Além disso, outro grande obstáculo é superar as frustrações das perdas”, destacou Silvana, que também é enfermeira e tem aproximadamente 20 anos de experiência na área.

No ano passado uma liminar impediu enfermeiros de requisitar exames laboratoriais complementares nas Unidades Básicas. Um declínio na sua rotina de trabalho, que até então sempre fizeram parte de suas atribuições. Essa ação foi movida pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), mas a decisão não durou muito tempo. O desembargador Hilton Queiroz, presidente do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) derrubou a liminar que impedia o trabalho da categoria. Para Michelle Monique da Silva, Coordenadora de Imunização do Município, as pessoas costumam fazer uma assimilação entre as duas profissões, médicos e enfermeiros. “A enfermagem é uma profissão assistencialista e a medicina é uma profissão de diagnóstico. O enfermeiro trabalha e estuda muito pra se especializar, o que é um custo financeiro alto”, destacou Michelle se referindo à ação movida pelo CFM.

A origem do Dia Internacional da Enfermagem

O dia 12 de maio foi escolhido como homenagem ao nascimento de Florence Nightingale, considerada a “mãe” da enfermagem moderna. Ela era de nacionalidade inglesa, nasceu em Florença, na Itália. Aos 17 anos, Florence Nightingale, que também era cristã anglicana, decidiu ser enfermeira, acreditando ter um chamado de Deus para fazer enfermagem.

Foi na guerra da Crimeia, em que o Reino Unido participou entre 1853 e 1856, que o seu trabalho se tornou mais conhecido e ela foi chamada de “Dama da Lâmpada”, instrumento que usava durante a noite para ajudar melhor os feridos. Em 1860, Florence fundou a primeira Escola de Enfermagem secular do mundo na Inglaterra.

Texto: Daniele Beldon

Foto: Felipe Lopes