Programa Calçada Acessível inicia a quarta fase em Iguaba Grande

Além de dar bons resultados, o projeto não gera custos a Prefeitura

O Programa Calçada Acessível está iniciando a quarta fase no município de Iguaba Grande. O projeto é fruto de uma parceria entre a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro(Firjan) e a Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP), se concretiza no formato de um manual técnico que irá se tornar uma lei ou um decreto para que haja uma padronização das calçadas do Município.

O programa possui sete etapas. Até hoje já foi feita a reunião de assinatura da Carta de Intenção, que concretiza a execução do programa no município, aconteceu também o workshop participativo de capacitação técnica, em que os secretários e representantes das secretarias se reuniram com o representante da ABCP, Luiz Gustavo, e saíram por algumas ruas da cidade com cadeira de rodas ou vendas e guias para cego, para experimentarem, na prática, as dificuldades enfrentadas no dia-a-dia de pessoas com deficiências.

Agora, o projeto está na fase de elaboração do manual, e conta com a participação de diversos representantes da Sociedade Civil e de Secretarias Municipais. É coordenado pela Arquiteta e Urbanista Thais Aguiar, funcionária lotada na Secretaria de Planejamento e Gestão de Projetos, e deve durar até o mês de novembro. Após o término da elaboração, acontecerá uma Audiência Pública para que o manual seja aprovado também pela população.

Segundo Thais Aguiar, o projeto visa o direito de ir e vir dos cidadãos, independente das suas condições de mobilidade. “Ao andarmos pelas ruas de nossa cidade notamos a dificuldade que é circular confortavelmente e com segurança. E investindo nesse trabalho teremos como resultado o fortalecimento do uso dos logradouros públicos e o resgate da importância da circulação das pessoas nas calçadas impactando diretamente no desenvolvimento da cidade”, afirmou a coordenadora.

O Programa Calçada Acessível é um programa piloto, que vem dando bons resultados, além de não gerar custos para a Prefeitura.

Texto: Júlya Costa

Foto: Felipe Lopes